8 de abril de 2010

Simbiose entre insetos e microrganismos

Esse texto do blog QuímicaViva (créditos) mostra um estudo sobre a simbiose entre insetos e microrganismos. Vale a pena conferir. Principalmente para aqueles que amam, mais do que o normal, a velha e boa química. rsrs


Vespas exploram actinobastérias em proveito próprio


A simbiose entre microrganismos e organismos superiores é considerada por alguns pesquisadores como sendo a chave para o sucesso da evolução biológica (Margulis e Fester, 1991). Tais relações estão amplamente distribuídas em todos os ambientes da Terra. Em particular, relações de simbiose entre insetos e microrganismos são importantes para a nutrição dos insetos bem como para a proteção dos alimentos dos insetos.
Uma espécie específica de vespa, Philanthus sp., estabelece relação de simbiose com uma actinobactéria (Candidatus Streptomyces philanthi) que protege tanto a vespa como seus ovos da infecção por patógenos. As fêmeas da vespa “cultivam” estas bactérias em suas antenas, e depositam uma secreção contendo estas bactérias nas células que darão origem a seus ovos. As larvas dos ovos incorporam tais bactérias em seus casulos, e as espalham pela superfície do casulo enquanto estes são formados, girando o casulo no local em que se encontram.
Uma vez isoladas, as actinobactérias dos casulos foram crescidas em meio de cultura em laboratório, para que, depois de crescidas suficientemente, fornecessem quantidade adequada de meio de cultura para o isolamento dos antibióticos que produzem. Estes foram identificados como sendo a estreptoclorina (1), a piericidina A1 (2), a piericidina B1 (3), a glucopiericidina A (4), a piericidina A5 (5), a piericidina C1 (6), a 9’-desmetil-piericidina A1 (7), a piericidina B5 (8) e a piericidina IT-143-B (8). Tais antibióticos já eram conhecidos e já haviam sido isolados de outras linhagens de actinobactérias, mas nunca todas estas substâncias juntas.



Veja o artigo completo em: 

Nenhum comentário: